Páginas

sábado, 26 de julho de 2014

Roubaram-me



Como já havia mencionado as férias começaram com uns dias no Algarve na companhia dos nossos compadres e afilhada Carolina.

Sabíamos que nos esperavam dias muito agradáveis. Mais do que habituados a passar alguns dias com os nossos compadres aquilo que nos aguardava só podia ser muito bom e isso só podia ser melhorado pela presença da pequenita.

Mas a verdade é que nada nos preparou para aquilo que foram os poucos dias que passámos com eles.

Só podemos agradecer a forma como nos receberam, nos trataram e fizeram sentir bem. Não podíamos ser melhor recebidos. São, para além de amigos do melhor que pode existir, excelentes anfitriões. Fizeram-nos sentir super à vontade e fizeram com que os dias passassem depressa demais. Não temos palavras para agradecer a forma como nos trataram e por isso fica o agradecimento mais sincero e do fundo do coração que pode existir. Foi perfeito.

A grande surpresa foi mesmo a nossa afilhada. Desde a forma como abriu os braços mal entramos pela porta até ao beijo que lhe roubei antes da sesta durante a qual viemos embora temos tanto mas tanto para guardar, para sorrir, para inchar o coração.

Ao longo dos dias a proximidade e o à vontade daquela pipoquinha foi-se acomodando no nosso coração. Sim, já éramos completamente derretidos por ela mas simplesmente sentimos que nos roubou o coração. Ouvir um “maínha” ou “paínho” era assim das melhores palavras para os nossos ouvidos. Cantar e dançar com ela; brincar na areia; estar na piscina… tudo, seja o que for, ganhou outro sabor.

Não trocava 15 dias na Polinésia Francesa pelos dias que passei na companhia dela. Roubou-me o coração e na vinda embora metade do percurso foi feito a chorar. Porquê? Porque tinha o coração cheio de amor e alegria pelo que partilhei com ela; sentia uma tristeza imensa por ter acabado; uma gratidão imensa pela forma como fui recebida e acarinhada; sentia que as férias tinham acabado porque já nada seria igual sem aquela pequenina que passou os dias a dizer “não queio”. Aquela pequenina foi o Moët & Chandon de todas as férias imagináveis e depois disso tudo tem sabor a espumante rasca.

Não tenho mais palavras para descrever o delicioso que foi e só espero nunca esquecer momentos tão bons que são agora constantemente recordados por nós.

Obrigada a vocês!


2 comentários:

  1. Jasus. Assim fica difícil não ficar emocionado. Obrigado pela vossa companhia. Beijinhos e até já .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :) Emoções ao rubro foi o que sentimos na hora de vir embora!
      Nós é que agradecemos... TUDO! :)
      Beijinhos e amanhã estamos lá a dar ao pedal!

      Eliminar