Páginas

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Toma lá um estalo… e aprende a relativizar

Andar pelos cantos a pensar na pouca sorte desta rifa que é a vida. Pensar em como tudo poderia ser e comparar com aquilo que é, e render-me às evidências. A vida é uma caixa de surpresas. Vamos abrindo caixa a caixa e encontramos coisas boas e coisas más.
As boas achamos que são merecidas, as más são incompreendidas! Parece que todo o mundo se uniu para tramar quem não merece.
E depois, ouvir uma história… cada frase dessa história, faz-me afastar o olhar do próprio umbigo para olhar nos olhos do contador da história. Ficar com a sensação de murro no estômago, arrepiar a pele por completo, chegar mesmo a estremecer e perceber que aquilo que mais se destaca naquela pessoa é a coragem, é a vontade. Não é a doença, as dificuldades, as lágrimas (que com certeza derrama com muita frequência na almofada, porque me parece que não é pessoa de chorar à frente de ninguém), mas o exemplo, a energia, a força.
Sempre ouvi dizer que pensamos que estamos mal, mas ao olharmos para o lado, há sempre alguém que está pior que nós. Não tiro nem uma ponta de satisfação por isso. O aumento do meu bem estar não depende de mau estar de terceiros e felizmente que assim é ou tinha que me dar uma lição.
Mas hoje levei um verdadeiro estalo. Vi uma pessoa que tinha todos os motivos para baixar os braços, que poderia perfeitamente já ter gasto todas as forças, mas não. Falou comigo com a maior das naturalidades e fez-me ver como as coisas realmente são. Com um pensamento positivo, com foco num futuro a que poderá nem ter direito, mas com uma postura de vencedora. E independentemente daquilo que o futuro ditar, esta pessoa será para mim uma vencedora e hoje ensinou-me a relativizar.

Sem comentários:

Enviar um comentário