Páginas

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Nada é fácil



Existem coisas simples. Muito simples.
Ir tomar um café, por exemplo.
Basta ir a um café, pedir e tomar, e depois vir embora.
Mas decido ir de carro porque não tenho nenhum perto.
O carro avaria. Reparo.
Tenho um acidente. Resolvo.
Abate-se um verdadeiro temporal apesar do dia soalheiro que estava quando saí de casa. Avanço com muito cuidado ou até encosto, aguardo que melhore, e depois prossigo.
Chego ao local do café e sou roubada. Aguento.
Importunada por testemunhas de Jeová, comerciais disto ou daquilo e ainda ouço uma ou outra boca desagradável de pessoas que de pessoas têm muito pouco. Aguento.
Estou suja porque reparei o carro.
Magoada porque me feri no acidente.
Encharcada e com ar de quem foi lambida por um cão devido à tempestade que ainda enfrentei enquanto reparava o carro e resolvia o acidente.
Lisa porque fui roubada – por acaso tenho uma moeda no bolso das calças que ainda me dá para o café.
E com vontade de gritar, porque já não suporto ver gente à minha frente, porque tenho receio de que se trate de um ladrão, um seguidor de uma religião qualquer, ou até um comercial daqueles mesmo chatos.
Será que ainda tomo café? Será que tomar café é assim tão simples?
Podia ser mas parece que nunca é.
E acreditem que isto não é uma versão Mr. Been! A vontade de rir não é nenhuma.

6 comentários:

  1. É suposto ser um ato simples do quotidiano, mas há dias em que parece que o Mundo decidiu conspirar contra nós. Calma!

    ResponderEliminar
  2. Ohh por favor!... São dias, são fases e são predisposições, vai passar, tenta dar uma valente gargalhada e inspira fundo, fecha os olhos e visualiza o teu melhor desejo a realizar-se, volta a inspirar fundo e acredita! Bom fim de semana :)

    ResponderEliminar
  3. Há dias "não" e esse foi um desses... Mas já passou. Agora é sempre a melhorar! ;)

    ResponderEliminar