Páginas

terça-feira, 23 de setembro de 2014

Há coisas para as quais nunca estamos preparados



Toda esta experiência com o meu irmão tem sido uma verdadeira bofetada que sinceramente não esperava. Já tive várias situações complicadas ao longo da vida mas nunca senti o mesmo desespero que nesta.
O meu irmão tem atualmente 35 anos. Uma forma de estar na vida e de ver as coisas completamente diferente da minha. Rapaz comunicativo que deve ultrapassar todos os recordes de cumprimentos numa curta distância (a pé ou de carro) percorrida. Detentor de um feitio muito especial que muitas vezes me dava gana de lhe pregar dois estalos para abrir os olhos para a realidade (apesar de ser cerca de 3 anos mais nova que ele). Amigo. Honesto. Trabalhador (atualmente porque teve a sua adolescência problemática que incluía muitas aflições nesta área). Mas acima de tudo, e no que me diz respeito, é meu irmão. E é apenas pouco mais de 3 anos mais velho que eu. E se há coisa que nunca ponderei – e acreditem que penso muito, em tudo, sob todos os ponto de vista – foi vê-lo numa cama, completamente dependente e incapaz de pouco mais do que respirar.
Ver o meu irmão cheio de vitalidade, de repente, completamente indefeso, numa aflição constante para levar oxigénio suficiente aos pulmões. Pontualmente abre-nos os olhos e brinda-nos com a esperança de um dia ficar melhor; levanta um pouco um braço e preenche-nos o rosto com um sorriso. Todas as pequenas coisas, aquelas mesmo muito insignificantes no dia a dia, ganham um valor, uma admiração, uma alegria que não consigo descrever.
Quando começamos a ganhar alguma esperança aparece nova tempestade. E eu não estou preparada. Mas é do meu irmão que estamos a falar. Tenho vontade de estar sempre ao lado dele nem que seja apenas para passar um toalhete no rosto ou dar-lhe uma palmada no peito para tentar chama-lo à realidade. E apesar de não estar preparada reforço a força, a determinação e a esperança. Porque não posso perder a esperança…
Porque se há coisa que não consigo equacionar é perder o meu irmão.

6 comentários:

  1. Desejo que o teu irmão levante mais vezes o braço, dando razões para ficarem ainda mais esperançosos! Coragem! Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada. A esperança mantém-se sempre mas sabemos que é cada vez mais difícil de conseguir. Obrigada.
      Beijinhos

      Eliminar
  2. Só posso continuar a desejar que tudo corra pelo melhor, e que todos tenham a força que tal situação exige!

    ResponderEliminar
  3. Força e coragem que melhores dias virão! Beijinhos

    ResponderEliminar